Mais de mil escolas do país já podem optar pelos games Memória Boquinhas e Puxa-Bocas Boquinhas, desenvolvidos a partir da metodologia cria...

Mais de mil escolas do país já podem optar pelos games Memória Boquinhas e Puxa-Bocas Boquinhas, desenvolvidos a partir da metodologia criada pela fonoaudióloga e psicopedagoga Renata Jardini. Jogos podem ser aplicados ainda no tratamento de crianças autistas e com dislexia


Mais de mil escolas já utilizam a mesa digital interativa desenvolvida pela Playmove. Imagem: Divulgação

Como pronunciar o som de uma letra, se o nome dela é diferente? Qual o movimento correto da boca para que a fala seja correta? Essas são dúvidas comuns no processo de aprendizagem da maioria das crianças. E foi a partir delas que a fonoaudióloga e psicopedagoga Renata Jardini desenvolveu o Método das Boquinhas®. Além de decodificar cada uma dessas etapas, as atividades que incluem a metodologia também apostam no recurso visual, mostrando os movimentos corretos da boca na pronúncia dos fonemas.

A partir de agora, os jogos voltados para a alfabetização fônica-articulatória também ganham versões especiais para a PlayTable, mesa digital interativa que conta com games educativos desenvolvida pela Playmove. Já são mais de mil escolas que utilizam o produto e poderão contar com o recurso. Através do Memória Boquinhas e do Puxa-Bocas Boquinhas, as crianças desenvolverão a consciência fonológica e visuoarticulatória, a conversão entre letra/som, a atenção e a memória visual e auditiva.

No game Puxa-Bocas, o destaque fica por conta do desenvolvimento da soletração. Cada palavra apresentada traz diversas figuras de bocas com o áudio do som das letras, distribuídas aleatoriamente. A criança precisa ouvir e através da audição e visão, sequenciar as imagens das bocas para que formem o som correto das palavras. Já no Memória, o jogo traz figuras de objetos e logo abaixo, as bocas que reproduzem o som inicial da pronúncia do nome de cada um deles. O jogador precisa unir corretamente as figuras com as pronúncias para vencer o desafio, que conta com diversas fases e níveis de dificuldade.

Método das Boquinhas é nova parceria da PlayTable. Imagem: Divulgação

Além da aplicação no ensino regular, os games também são indicados para a área da Educação Especial, no tratamento do autismo, da dislexia e outras dificuldades. “As crianças aprendem muito melhor brincando e com recursos como os do método, que traz a visualização da pronúncia. O Boquinhas tem tudo a ver com a iniciativa da PlayTable, que visa trazer recursos para apoiar a aprendizagem de forma eficaz. Temos certeza que os jogos serão de grande ajuda para os educadores no processo de alfabetização”, diz Cristiano Sieves, especialista em ludopedagogia da Playmove.

“Vincular o nome Boquinhas à PlayTable é uma honra para mim, pois acredito que compartilhamos o mesmo ideal, de levar aprendizagem rápida, segura e lúdica a todos. Com esses jogos a alfabetização se alia à fala bem articulada, ampliando habilidades importantes para o sucesso da escolaridade. Mais do que uma ferramenta atual, os jogos digitais são a saída para professores, clínicos e pais que buscam alicerçar seus objetivos de aprendizagem eficaz com algo prazeroso”, avalia Renata.

“Acredito que esses dois jogos Boquinhas na PlayTable são o início de uma parceria profícua, que poderá se estender para a prática pedagógica digital ao alcance de todos, fixando conceitos de forma simples e lúdica, que atenda as necessidades de qualquer aprendiz’, conclui a fonoaudióloga.

Sobre a PlayTable
Criada para aliar tecnologia, educação e diversão, a PlayTable é uma mesa digital, interativa e multidisciplinar que pode ser utilizada por crianças a partir dos três anos de idade. Os jogos são criados a partir das matrizes curriculares e desenvolvem habilidades cognitivas e de coordenação motora, além de conteúdos como alfabetização, matemática, ciências, artes, história, entre outros.

A estrutura é segura e simples, o que permite que as próprias crianças façam o uso do equipamento sem a necessidade da intervenção de adultos. Graças à tecnologia empregada no produto, ele é recomendado para utilização em programas de inclusão com crianças com dificuldades psíquicas e motoras.

Sobre a Playmove
Criada em 2013 em Blumenau (SC), a startup Playmove nasceu a partir da união de dois empreendedores das áreas de tecnologia e brinquedos educativos. O negócio deu origem a primeira mesa digital com jogos educativos do Brasil, a PlayTable. Foram três anos de pesquisa até que o dispositivo chegasse ao mercado. Em 2016 a startup recebeu menção honrosa na categoria Negócio de Impacto Social do Prêmio Empreendedor de Sucesso, entre outros prêmios ao longo da sua história.


You may also like

6 comentários:

  1. Muito bom quando se usa a tecnologia para o bem e para o aprendizado.. Muito bom!

    ResponderExcluir
  2. Esse método, achei muito massa, ja que a tecnologia esta podendo ajudar as crianças no aprendizado que é o importante

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante!! A língua portuguesa já é mesmo complicada de aprender, mas com esse tipo de auxílio facilita o aprendizado. Amei o fato de ser algo interativo, em que as próprias crianças tem autonomia para manusear o equipamento, é mesmo uma grande ajuda na educação de crianças autistas e afins, que tem uma maior dificuldade de aprendizado e compreensão.

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Trabalho em uma escola de reforço, por isso gostei muito desse método. Percebi que é uma boa forma de alfabetizar as crianças.
    Vou procurar saber mais sobre e se tem outros métodos parecidos e acessíveis.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Olá, já conhecia esse método das boquinhas acho ele muito bom é um ótimo método de ensino.

    ResponderExcluir
  6. Oiiie,
    eu conhecia esse metodo vi em algum lugar e eu achei bem interessante prende a atenção da criança como hoje em dia elas já conhecem a tecnologia

    ResponderExcluir